Artigos

JOVENS DISTOPIAS

FILMES/VE UTOPIAS E DISTOPIAS

autorGilberto Schoereder
publicado porGilberto Schoereder
data17/12/2018
fonte

A FC não ficou imune ao fenômeno dos livros voltados para o público chamado “jovens adultos”. Não se trata de uma categoria literária, mas de mercado, supostamente jovens entre os 12 e 18 anos, ainda que, segundo as pesquisas sobre o setor, muitos adultos também leiam as obras.
E, como em todo segmento de mercado literário, existem obras boas e obras péssimas. E na FC, um tema que se destacou foi justamente o das sociedades distópicas, geralmente com jovens procurando uma forma de escapar da opressão de governos variados, ou mesmo participando da derrubada desses governos.
Em seu livro A Verdadeira História da Ficção Científica, Adam Roberts analisa o fenômeno dos livros para jovens adultos dizendo que “(...) também devemos voltar nossa atenção para aqueles pontos em que aspectos da FC e da fantasia se transformaram nas metáforas globais para toda uma geração cultural”. Roberts estende-se bastante na análise da onda de literatura para jovens adultos, e vale a pena conhecer o seu livro. Ele também cita as três séries de livros com vendas gigantescas que são particularmente relevantes; ele se refere aos livros da série Harry Potter, de J.K. Rowling, iniciada em 1997 e estendendo-se até 2007; cita a série Crepúsculo, de Stephenie Meyer, iniciada em 2005 e estendendo-se até 2008; e a trilogia de Suzanne Collins, formada por Jogos Vorazes (Hunger Games, 2008), Em Chamas (Catching Fire, 2009) e A Esperança (Mockingjay, 2010), esta sim uma distopia, com mais de 100 milhões de livros vendidos e adaptados em quatro filmes, igualmente bem sucedidos. (ver mais no especial Mil Cidades, na matéria Cidades Dominadas).
Antes mesmo do sucesso da série de Suzanne Collins, a escritora Lois Lowry havia publicado O Doador (The Giver, 1993), que recebeu tanto elogios quanto críticas, mas não chegou a atingir o mesmo sucesso de vendas. Também foi levado às telas com O Doador de Memórias (The Giver, 2014), uma boa adaptação que igualmente teve críticas favoráveis e contrárias, ainda que uma boa bilheteria.

Segundo Adam Roberts, “O sucesso dos livros da trilogia Jogos Vorazes cristalizou uma noção de que o modo predominante da FC contemporânea é distópico”. A história apresenta os Estados Unidos agora com o nome de Panem, totalmente devastados e divididos em distritos que seguem as rígidas ordens do governo central, que domina os distritos com mão de ferro, enquanto na capital a vida é repleta de riquezas e abundância, com uma elite que pouco ou nada se importa com o que ocorre nos distritos.
Os “jogos” foram estabelecidos pela capital como uma forma de punição, ou lembrança, de uma rebelião que os distritos efetuaram contra a capital no passado. Todos os anos, dois jovens com idades entre 12 e 18 anos são escolhidos em cada um dos doze distritos para participar dos jogos, nos quais eles precisam lutar e matar seus concorrentes para sobreviver e, assim, poder providenciar mais alimentos para seu distrito.
As coisas começam a mudar com a personagem Katniss Everdeen, do Distrito 12, o mais pobre de Panem, que assume o lugar da irmã mais jovem e, com suas ações durante os jogos, acaba causando problemas para os governantes. Nos livros seguintes, Katniss passa a ser o símbolo máximo de uma rebelião contra o poder centralizador da capital, que irá resultar na queda do governo.
A autora chegou a falar sobre suas inspirações para compor os cenários do livro, indo dos chamados “reality shows” da TV – os “jogos vorazes” são transmitidos ao vivo para todos os distritos e para a capital, como o maior evento do ano – até as lutas dos gladiadores romanos. Adam Roberts diz que a ideia de jovens matando-se uns aos outros parece ter sido extraída da novela cult Battle Royale (1999), do escritor japonês Takami Koshun, ainda que o tom dos livros de Collins seja diferente. “(...) Collins filtra sua violência”, diz Roberts, “por uma comovente história de amor que tende a ganhar precedência sobre a sátira política e o sonho utópico. Na verdade, a distopia do universo de Jogos Vorazes é de um tipo muito particular”.

Outras séries de histórias sobre sociedades distópicas que também tiveram sucesso foram as de Veronica Roth e de James Dashner. Os livros de Roth são: Divergente (Divergent, 2011), Insurgente (Insurgent, 2012) e Convergente (Allegiant, 2013) (ver mais no especial Mil Cidades, na matéria Cidades Dominadas). Os livros de Dashner, na série Maze Runner, são: Correr ou Morrer (The Maze Runner, 2009); Prova de Fogo (The Scorch Trials, 2010); A Cura Mortal (The Death Cure, 2011); Ordem de Extermínio (The Kill Order, 2012); O Código da Febre (The Fever Code, 2016), todos publicados no Brasil pela Plataforma 21.
A distopia é mais claramente apresentada na série Divergente, com uma sociedade dividida em castas com funções específicas, convivendo em uma cidade, a Chicago do futuro, cercada por um muro gigantesco. Em Maze Runner, a história diz respeito mais a um futuro pós-apocalítico do que a uma distopia propriamente dita.
Ambas foram sucessos de vendas e foram transformadas em filmes igualmente bem sucedidos.


VEJA MAIS ALGUNS TÍTULOS DE LIVROS DISTÓPICOS PARA O PÚBLICO “JOVENS ADULTOS”

 

OS FILHOS DAS SOMBRAS (Shadow Children, 1998-2006)
Margaret Peterson Haddix.
Editora Fundamento.
A série tem sete livros, três deles publicados no Brasil: Os Filhos das Sombras – Um Deles (Among the Hidden, 1998); Os Filhos das Sombras – Os Suspeitos (Among the Impostors, 2001); Os Filhos das Sombras – Os Traídos (Among the Betrayed, 2002); Among the Barons (2003); Among the Brave (2004); Among the Enemy (2005); Among the Free (2006).
As histórias situam-se num país que passa por imensas dificuldades com escassez de alimentos. O governo instala um controle populacional rigoroso, impedindo as famílias de terem mais de dois filhos. Para fazer valer a lei existe uma Polícia de Controle da População, que passa a ter imenso poder e atividades corruptas, enquanto uma elite rica tem maiores facilidades.
O personagem central é Lucas (no original, Luke Garner), o terceiro filho de uma família, obrigado a viver escondido para a família não sofrer as consequências, até que conhece a jovem Jen, também uma terceira filha, e a amizade entre eles irá mudar os rumos de suas vidas.


FEED – CONEXÃO TOTAL (Feed, 2002)
M.T. Anderson.
Editora Rocco.
No futuro apresentado no romance, a maior parte da população tem o feed implantado em seus cérebros, estabelecendo uma conexão direção com uma rede de computadores, possibilitando que acessem mentalmente inúmeras informações e bases de dados, além de terem experiências em realidade virtual. O problema é que todo o esquema é controlado por corporações, que controlam até mesmo o sistema educacional.
O personagem central é Titus, um jovem com um feed em seu cérebro e, como os demais jovens de seu meio, totalmente alheio aos problemas que o implante pode causar a ele ou à sociedade. Até que conhece a jovem Violet Durn, que se opõe à utilização dos implantes.

 


SÉRIE “FEIOS”
Scott Westerfeld.
Galera Record.
Os livros: Feios (Uglies, 2005); Perfeitos (Pretties, 2005); Especiais (Specials, 2006); Extras (Extras, 2007). O cenário das histórias é um futuro pós-apocalíptico em que quase toda a população do planeta morreu e quase todas as cidades foram destruídas. Os que restaram se reuniram em cidades independentes, e é em uma delas que vive a personagem central, Tally Youngblood. Nessa sociedade futura, ao atingirem 16 anos, os jovens passam por uma operação plástica radical que os torna “perfeitos”. Até então, os jovens ficam confinados a Vila Feia; depois, podem viver em Nova Perfeição. Segundo os governantes, com todas as pessoas sendo bonitas, isso inspira a paz e igualdade entre os cidadãos.
Tally conhece Shay, uma “feia” que não tem intenção de passar pela cirurgia, e acaba se envolvendo com o grupo que se opõe aos governantes. Com o tempo, ela vai perceber que a cirurgia atende a outros interesses do governo, uma vez que modifica seus cérebros para que se mantenham pessoas superficiais e sem inteligência, de modo que possam ser controlados mais facilmente.


TRILOGIA DESTINO
Ally Condie.
Suma de Letras.
Os livros que compõem a trilogia são: Destino (Matched, 2010); Travessia (Crossed, 2011) e Conquista (Reached, 2012). A série mostra uma sociedade distópica em que o governo decide absolutamente tudo sobre a vida das pessoas, desde onde elas vivem e trabalham, até quando morrem, uma vez que todos os cidadãos morrem aos 80 anos. Aos 17 anos, todos os cidadãos são unidos em pares, por escolha das autoridades competentes. Assim, a história centra-se na jovem Cassia Reyes, que passa pelo processo da escolha do par, e que também começa a perceber que a sociedade que lhe era apresentada como uma utopia é, na verdade, o oposto.

 

 

 


TRILOGIA DELÍRIO
Lauren Oliver.
Editora Intrínseca.
Os livros da série: Delírio (Delirium, 2011); Pandemônio (Pandemonium, 2012); Réquiem (Requiem, 2013). A história se passa no ano 2091, após uma guerra que destruiu muitas cidades nos EUA, e as que escaparam estão isoladas dos territórios devastados por cercas elétricas. Nesse futuro, um governo totalitário determina que o amor é uma doença chamada “amor deliria nervosa”, mas que existe uma cura para ela, uma cirurgia que se torna obrigatória para aqueles acima dos 18 anos.
A ação centra-se na personagem Lena Haloway, jovem que deseja passar o quanto antes pelo procedimento, acreditando nas palavras de seu governo de que a doença é problemática. Mas antes que isso aconteça, ela se apaixona por um jovem que vive nos territórios tidos como selvagens e que não passou pela “cura”.

 


TRILOGIA LEGEND
Marie Lu.
Editora Rocco.
Os livros da série: Legend – A Verdade se Tornará uma Lenda (Legend, 2011); Prodigy – Os Opostos Perto do Caos (Prodigy, 2013); Champion – Do Caos e da Lenda Surgirá um Campeão (Champion, 2013). Dessa vez a história situa-se na República, uma nação futura na costa oeste dos EUA, em guerra constante contra as Colônias, seguindo a história (de amor, é claro) da jovem June, de 15 anos, pertencente à classe dos mais ricos da República. Com o desenrolar da história ela percebe que a República é um governo tirânico, com alguns segredos bem guardados, e luta para modificar as coisas.

 

 


TRILOGIA DO JARDIM QUÍMICO
Lauren DeStefano.
Editora Underworld.
Os livros da série: Aprisionada (Wither, 2011); Fever (2012); Sever (2013). Pelo que averiguei em minhas pesquisas, apenas o primeiro livro foi lançado no Brasil, antes que a editora desaparecesse. Situa-se em um futuro no qual a engenharia genética é capaz de produzir seres humanos perfeitos, sem doenças, mas que resultou em um vírus que mata as mulheres aos 20 anos e os homens aos 25. A sociedade apresenta uma divisão brutal entre ricos e pobres e, como a ciência continua tentando encontrar uma cura para o vírus que continua afetando todas as crianças nascidas, é comum que jovens sejam vendidas para pesquisas em laboratórios, ou sejam levadas à prostituição ou assassinadas.

 


TRILOGIA NEVER SKY
Veronica Rossi.
Editora Rocco.
Os livros da série: Sob o Céu do Nunca (Under the Never Sky, 2012); Pela Noite Eterna (Through the Ever Night, 2013); A Caminho do Azul Sereno (Into the Still Blue, 2014). A história se passa 300 anos no futuro, após um cataclismo que afetou o planeta drasticamente, e segue a aventura da jovem Aria, que vive na cidade de Quimera (no original, Reverie), protegida por um domo. Ela é banida da cidade após ser culpada de provocar um incêndio no qual morreram três pessoas. Ela se vê fora da proteção do domo, nas terras conhecidas como Loja da Morte, repletas de tempestades de éter e habitado por selvagens, e inicia uma jornada de aventuras.

 

 


TRILOGIA ANOMALY
Krista McGee.
Os livros: Anomaly (2013); Luminary (2014); Revolutionary (2014). A trilogia é às vezes apresentada como uma distopia cristã, o que se entende pelas entrevistas da autora. Ela disse que se baseou em seus livros distópicos favoritos, Admirável Mundo Novo e 1984, mas imaginando como essas histórias seriam se contadas de um ponto de vista nitidamente cristão. Apresenta um mundo devastado pela guerra nuclear e com a população sobrevivente morando em subterrâneos, liderados por cientistas chamados “The Ten”, que decidem que, para o futuro da humanidade, precisam realizar alterações genéticas nas crianças para que elas nasçam sem emoções.
 

 


ARTICLE 5 (2012)
BREAKING POINT (2014)
THREE (2015)

Kristen Simmons.
A trilogia apresenta um futuro em que os EUA passou por uma Guerra e é governado pelo Federal Bureau of Reformation, que estabelece uma guerra contra o sexo, de modo que as mulheres que quebrem o artigo 5 do título do primeiro livro, ou seja, que tenham filhos fora do casamento, são presas. É o que acontece com a mãe de Ember Miller, com a criança sendo enviada para um reformatório de meninas. Eventualmente, Ember e seu amor conseguem escapar.

 

 

 


SÉRIE “A SELEÇÃO”
Kiera Cass.
Editora Seguinte.
Os livros: A Seleção (The Selection, 2012); A Elite (The Elite, 2013); A Escolha (The One, 2014); A Herdeira (The Heir, 2015); A Coroa (The Crown, 2016). Também foram publicados livros de contos no universo de A Seleção: A Rainha (The Queen, 2014); O Guarda (The Guard, 2014); Contos da Seleção – O Príncipe e o Guarda (The Selection Stories, 2014); Felizes Para Sempre (Happily Ever After, 2015); A Favorita (The Favorite, 2015).
As histórias situam-se no país chamado Illéa, antigamente conhecido como Estados Unidos, com a sociedade sendo separada em castas. Os livros giram em torno de uma competição conhecida como A Seleção que escolhe moças entre 16 e 20 anos para saber quem se casará com o príncipe.