Artigos

OS CONSPIRADORES

FILMES/VE ALIENÍGENAS NA TERRA

autorGilberto Schoereder
publicado porGilberto Schoereder
data15/6/2018
fonte
A presença de extraterrestres em nosso planeta está no centro de diversas teorias conspiratórias e o assunto foi levado para as telas do cinema e, principalmente, da televisão.

(Ten Thirteen Productions/ 20th Century Fox Television).
Arquivo X.

O tema dos governos secretos e extraterrestres infiltrados nas altas esferas do poder migrou para a televisão, e o melhor exemplo disso certamente é a série, hoje clássica, Arquivo X (1993-2002), que retornou em 2016 e em 2018 para mais duas temporadas.

(Ten Thirteen Productions/ 20th Century Fox Television).

As histórias centrais da primeira fase do seriado giram em torno de um grupo seleto de terrestres que, desde os anos 1940, mantêm contato com extraterrestres. Os humanos sabem que os aliens querem nos dominar, mas afirmam que desenvolveram um plano para tentar sobreviver, mesmo que isso custe a morte de bilhões de humanos.
Ao longo das nove temporadas, quase todos os temas da Ufologia foram abordados, com destaque para os mais paranoicos, é evidente. Mas o que os aliens querem mesmo é nos conquistar, e dão mostras de conhecer muito bem a psicologia humana. Oferecem poder e a possível sobrevivência em troca da oportunidade de realizarem suas experiências, o que inclui abduzir humanos livremente, sem interferência do governo.
Ao mesmo tempo em que os alienígenas fazem suas experiências visando a futura dominação do planeta, os humanos também realizam seus testes, procurando desenvolver um ser híbrido alien-humano.
Para obter o que desejam, os humanos se tornam tão ou mais perigosos que os alienígenas, exercendo o poder sem jamais aparecer na linha de frente. Além dos episódios não relacionados com extraterrestres, Arquivo X é uma espécie de compilação de todos os temas já abordados pela Ufologia; laboratórios secretos; naves alienígenas que caem na Terra e são resgatadas por equipes especiais do “governo secreto”; terrestres abduzidos por aliens e que têm implantes colocados em seus corpos – e, devido a isso, alguns desenvolvem doenças fatais; confrontos entre grupos distintos de extraterrestres; humanos que recebem mensagens mentais de alienígenas; a famosa Área 51, nos EUA, realizando testes secretos de naves construídas a partir de tecnologia alienígena; homens de preto perseguindo pessoas que começam a falar muito sobre o que viram; a noção de que os aliens já estavam na Terra há milhares de anos, na verdade, muito antes das modernas sociedades humanas se desenvolverem.

Os conspiradores, em Arquivo X.

O seriado manteve o clima de paranoia constante de Os Invasores (1967-1968), mas ampliou o ambiente da conspiração e da invasão a níveis nunca vistos até então na TV, mantendo-se até hoje como uma espécie de marco no gênero, ainda que para muitos espectadores – inclusive fãs de carteirinha – o final da série tenha sido uma decepção. E o mesmo talvez possa ser dito sobre o retorno da série em 2016 e 2018, com a história original sendo alterado para propor que os alienígenas jamais foram o problema a ser combatido, e sim a conspiração dos humanos que obtiveram tecnologia alienígena do OVNI capturado em Roswell, em 1947.
A série ainda originou o spin-off The Lone Gunmen, com os Pistoleiros Solitários, trio de pesquisadores envolvidos com todo tipo de teorias da conspiração que ajudaram os personagens Mulder e Scully em diversos episódios. Byers (Bruce Harwood), Frohike (Tom Braidwood) e Langly (Dean Haglund) tornaram-se personagens tão queridos pelo público de Arquivo X que Chris Carter resolveu estender suas aventuras, mantendo o humor sempre presente em suas aparições. Mas a série durou apenas 13 episódios e pouco falou sobre extraterrestres.

 

                                                                                                                                           (Bryce Zabel Productions/ Columbia Pictures Television).

Mais centrada nos temas ligados aos extraterrestres foi a série Dark Skies (Dark Skies, 1996-1997), que durou 19 episódios. Criada por Bryce Zabel e Brent V. Friedman, de certa forma navegou no sucesso de Arquivo X, apresentando o personagem Joe Loengard (Eric Close), que trabalha para um político em Washington e, nos anos 1960, envolve-se com o Projeto Majestic, dedicado a pesquisar aparições OVNIs e a presença de extraterrestres em nosso planeta. Ele entra em confronto com os responsáveis pela direção do projeto quando descobre que o presidente Kennedy não sabe nada sobre o que está acontecendo. Claro, tentam matá-lo, e ele e a esposa têm de fugir.
A série tentou manter o clima de “mistérios dentro de mistérios” de Arquivo X, mas sem sucesso, compondo uma sucessão de acontecimentos totalmente paranoicos. Os aliens são malvados e introduzem uma espécie de hospedeiro nos seres humanos, que lhes modifica o comportamento. Assim, pretendem influir nos acontecimentos históricos e dominar a Terra.

 

Um seriado muito interessante foi Terra: Conflito Final (Earth: Final Conflict, 1997-2002). Foi uma ideia que Gene Roddenberry começou a desenvolver em 1976, mas que não foi para a frente. Depois de sua morte, sua esposa, Majel Barrett, conseguiu produzir a série com David Kirschner.

Leni Parker, como Da'an, líder alienígena (Alliance Atlantis/ Tribune Entertainment/ Roddenberry-Kirschner Productions).

A história se passa três anos após a chegada de 71 alienígenas chamados taelons, andróginos, chegaram à Terra, acabando com a fome e outras misérias. Foram chamados de Companheiros e recrutaram alguns humanos para trabalharem com eles, como o ex-policial William Boone (Kevin Kilner) e o agente do FBI Sandoval (Von Flores). Mas ao mesmo tempo os humanos percebem que os planos dos aliens não eram exatamente o que pensavam. Eles introduzem no cérebro dos humanos uma espécie de vírus que os transforma em aliados perfeitos, incapazes de refutar suas ideias. Um grupo de resistência organiza-se em torno de Jonathan Doors (David Hemblen), do qual faz parte, secretamente, o próprio Boone.
Efeitos bem elaborados, com história interessante e alguns mistérios a serem solucionados. Na segunda temporada a história mudou bastante com a morte do personagem Boone. Um novo personagem misterioso apareceu, uma mistura de alienígena com humano, com poderes especiais. Ficamos sabendo que os taelons pretendiam criar um híbrido taelon/humano para poder combater outra raça alienígena invasora que está se dirigindo à Terra.

 

                                                             (DreamWorks Television).

Também na linha de supostos eventos ocorridos em Roswell em 1947, a minissérie Taken (Taken, 2002) foi produzida por Steven Spielberg. Foram 10 episódios seguindo eventos ao longo de 50 anos, a partir da Segunda Guerra Mundial, quando o capitão Russell Keys (Steve Burton) é abduzido por alienígenas. Estende-se aos eventos de Roswell em 1947, originando uma conspiração em torno da tecnologia alienígena encontrada na nave que caiu no deserto. Passa pela presença de um alienígena com forma humana que engravida uma mulher terrestre, cujo filho possui poderes mentais. Segue com os planos de alienígenas e do governo dos EUA, envolvendo milhares de casos de avistamentos de OVNIs e de abduções.
A expectativa em torno da série era grande, especialmente pelo envolvimento de Steven Spielberg. A ideia era compor um verdadeiro épico da história dos contatos extraterrestres, atravessando gerações, o que de fato foi feito.

 

THE EVENT (2010-2011)
Provavelmente, jamais ficaremos sabendo o que seria o tal do “evento” prometido pela série The Event, cancelada pela rede NBC em maio de 2011, com apenas uma temporada. O seriado, que tinha começado com audiência superior a 10 milhões de espectadores, tinha caído pela metade, e quando isso acontece, as grandes redes passam fogo imediatamente, e dane-se a metade que queria assistir.

Laura Innes, líder dos extraterrestres, e Clifton Collins Jr., como seu braço direito (Steve Stark Productions/ Universal Media Studios).

Ou então, o “evento” era simplesmente a presença dos alienígenas entre nós; ou a chegada de mais alguns bilhões deles ao nosso planeta, através de um portal. Os planos dos malvados – ainda que nem todos os aliens concordassem com isso – incluíam inocular na população humana o vírus da gripe espanhola, com alguma modificação genética. Como os extraterrestres são imunes ao vírus, eles poderiam ficar sentados esperando que alguns bilhões de humanos morressem, abrindo espaço para a chegada dos aliens de seu planeta moribundo.
A linha principal do seriado guarda algumas semelhanças com as histórias a respeito da suposta presença de extraterrestres entre nós, divulgadas em centenas de livros e sites, e pesquisadas por inúmeros ufólogos desde o final dos anos 1940.
Essas histórias foram crescendo em complexidade e dramaticidade, como se fossem parte de um gigantesco “seriado de ficção científica na vida real”. Logo, evoluíram da “simples” presença de alienígenas em nosso planeta, para a infiltração deles em nossa sociedade, incluindo diversos governos do planeta.
Na série, os extraterrestres foram descobertos por acaso quando sua nave (ou avião) sofre um acidente e cai no Alasca, próximo ao final da 2ª Guerra Mundial. O acidente chama a atenção dos militares, que temem uma invasão, e centenas de pessoas são presas, apenas para se descobrir que, apesar de parecerem como nós, eles são extraterrestres.

Blair Underwood, como o presidente dos EUA.

É revelado, então, que eles ficaram presos por 66 anos numa prisão militar no Monte Inostranka, no Alasca; mas nem todos foram aprisionados. No momento da queda, vários conseguiram fugir e começaram a viver entre os humanos, tentando levar vidas normais, porém, preparando-se para o momento do “evento”. Infiltraram-se em cargos importantes do governo, tornaram-se empresários bem sucedidos ou apenas cidadãos tentando viver vidas comuns, formando famílias terrestres.
As coisas começam a mudar quando o presidente eleito dos EUA resolve tornar pública a presença dos alienígenas e programa um pronunciamento em conjunto com a líder dos extraterrestres. Então, forças de oposição começam a mover seus pauzinhos e as coisas se complicam.
Ao longo da primeira temporada, as intenções de Sophia McGuire (Laura Innes), a líder dos aliens, mudam radicalmente, e ao final da temporada ela já planejava a destruição da raça humana. Da mesma forma, o presidente Elias Martinez (Blair Underwood) resolve partir para o confronto com os aliens, cujas intenções são cada vez mais incompreensíveis para os humanos.
Com a série antecipadamente cancelada, parece que os produtores resolveram promover um final para a história, em vez de simplesmente parar a história pela metade. Só que a solução encontrada foi, para dizer o mínimo, inapropriada. Os aliens conseguem abrir um portal pelo qual trazem não apenas a população do seu planeta, mas o planeta inteiro, que surge nos céus da Terra. Até onde sei, o surgimento de um planeta na órbita terrestre iria provocar uma alteração de tal proporção que os dois planetas seriam destruídos.

 

SUPER 8 (Super 8, 2011)
Direção de J.J. Abrams.

(Paramount Pictures/ Amblin Entertainment/ Bad Robot/ K/O Camera Toys).

Um bom filme com produção de Steven Spielberg e a direção de J.J. Abrams, que já estava famoso como produtor da série Lost e de Cloverfield: Monstro. Apresenta um grupo de adolescentes que resolvem rodar seu próprio filme de zumbis para uma competição usando uma câmera Super 8. Uma noite eles vão até uma estação de trem e filmam um trem que se aproxima. Assim, conseguem gravar a cena quando uma camionete se dirige aos trilhos e bate no trem provocando um descarrilamento. Um dos jovens vê a porta de um dos contêineres ser aberta violentamente por algo que não pode ser visto. Os jovens ainda descobrem que quem dirigia a camionete era seu professor de biologia, que lhes diz para esquecerem o que viram aquela noite ou eles e seus pais seriam mortos.
Depois que eles fogem dali, uma equipe da Força Aérea chega ao local e um coronel encontra vestígios de um filme Super 8, chegando à conclusão de que alguém conseguiu filmar a cena.
A história prossegue com eventos estranhos ocorrendo na cidade, com pessoas desaparecendo, problemas na rede elétrica e aparelhos eletrônicos sendo roubados. Os militares iniciam um procedimento de evacuação da cidade, mas os jovens veem o que filmaram, chegando à conclusão de que uma criatura estava sendo transportada no trem e tinha escapado. E mais, descobrem que seu professor tinha sido um pesquisador do governo e tinha filmes mostrando a queda de um OVNI em 1958, com o extraterrestre sendo capturado e submetido a experiências. Como o professor tinha estabelecido uma relação mental com o alien, ele estava tentando ajudá-lo a fugir e sair da Terra.

 

ÁREA 51 (Area 51, 2015)
Direção de Oren Peli.

                 (Aramid Entertainment Fund/ Blumhouse Productions/ IM Global/ Incentive Filmed Entertainment/ Room 101).

Filme fraquinho que vai longe no campo das teorias conspiratórias, apresentando um grupo de pesquisadores de OVNIs que consegue se infiltrar na Área 51. Eles não só descobrem que no local realmente existe uma espaçonave alienígena, mas que existem no local inúmeros extraterrestres vivendo numa espécie de colônia subterrânea, e que eles são perigosos.


 

ARQUIVO PHOENIX (Night Visitors, 1996)
Direção de Jorge Montesi.
Feito para TV e também conhecido pelo título Os Visitantes. O título nacional do lançamento em vídeo aproveitou para sugerir uma ligação com o tema do seriado Arquivo X, mas não dá para enganar: o filme é bem fraquinho. Um cientista rouba o corpo de um alienígena de um complexo militar com o objetivo de divulgar ao mundo a queda de um OVNI e o segredo dos militares. Todas as testemunhas da queda, inclusive a esposa do cientista, foram eliminadas. Nada de novo ou extremamente criativo.

 

HANGAR 18 (Hangar 18, 1980)
Direção de James L. Conway.

(Sunn Classic Pictures).

Produção modesta seguindo a linha dos contatos imediatos. Uma nave americana acerta por acaso um OVNI estacionado no espaço e ele cai na Terra, sendo resgatado por cientistas e escondido no Hangar 18. A Força Aérea pretende obter informações valiosas sobre seus mecanismos e apaga todas as pistas sobre sua existência. O filme apresenta alguns momentos interessantes no que se refere à política oficial com relação aos OVNIs, apesar de praticamente riscar os extraterrestres da história, sem maiores explicações, depois de indicar que um dos que estavam a bordo permanecia vivo ao ser retirado da nave. No mais, apenas um filme mediano.

 

SILENCERS – A PRÓXIMA CONQUISTA (The Silencers, 1996)
Direção de Richard Pepin.

(PM Entertainment Group).

Um agente do serviço secreto se vê atrás dos chamados “homens de preto” que costumavam aparecer às testemunhas de avistamentos de OVNIs nos EUA para convencê-los a se manter em silêncio. Aqui, eles são apresentados como alienígenas que aniquilam qualquer um que tente se colocar no caminho de seus planos de invasão da Terra. É dito que o governo dos EUA ajudou-os a construir um portal dimensional em troca de informações tecnológicas, mas é claro que o verdadeiro objetivo do tal portal é trazer as forças invasoras à Terra.